Principais Fatores de Risco

Hipertensão

Ter pressão alta, não significa ter problemas no coração. Muitas vezes a hipertensão arterial não apresenta sintomas, mas não se engane, pois ela pode estar lá!

A hipertensão arterial, na grande maioria das vezes, não tem uma causa conhecida. Sabe-se que além da herança familiar, hábitos como comer alimentos com excesso de sal, estresse, peso acima do ideal, sedentarismo e tomar bebidas alcoólicas em excesso, aumentam os riscos de desenvolver hipertensão.

Alguns sintomas de hipertensão são dor na nuca, dor de cabeça, sangramento nasal, tontura e vermelhidão facial.

As pessoas com hipertensão não controlada apresentam um risco três vezes maior de apresentar um ataque cardíaco e sete vezes de ter um derrame cerebral.

Uma pressão mais alta que 14 por 9 medida duas vezes, em dias diferentes, evidencia a hipertensão.

Diabetes

Você tem sentido sede excessiva? Tem urinado com maior freqüência? Tem apresentado perda ou ganho de peso sem causa aparente? Tem apresentado machucados, cortes ou infecções que demoram a sarar? Alguém da sua família teve ou tem diabetes? Você fica cansado logo, sem nenhuma razão aparente?

Se você respondeu sim para algumas destas questões, procure o médico. É que estes sinais podem indicar o diabetes, distúrbio caracterizado pela incapacidade do organismo assimilar o açúcar ingerido nas refeições. Mas apenas o especialista pode confirmar estas suspeitas e prescrever os cuidados adequados. Em muitos casos, o tratamento envolve apenas uma mudança nos hábitos alimentares e de vida. Em outros, há a necessidade de tratamento medicamentoso. Se não tratado, o diabetes pode trazer problemas para vários órgãos, entre eles o coração, rins, pés e olhos.

Além disso, o diabético corre um risco maior de ter doenças cardíacas. O tratamento do diabetes é essencial para um coração saudável, bem como para sua saúde em geral.

Colesterol

Você sabia que o peso corporal não está relacionado com o nível de colesterol no sangue? Existem pessoas magras com taxas elevadas de colesterol e obesos com colesterol equilibrado. O abuso na ingestão de gorduras saturadas (aquelas presentes nos alimentos de origem animal) até mesmo para quem não tem predisposição à elevação do colesterol, pode acarretar um acúmulo de gorduras nos vasos sanguíneos.

Altos níveis de colesterol e triglicérides não apresentam sintomas e contribuem para as doenças cardíacas. Entretanto, uma dieta saudável ajuda a normalizar os níveis de colesterol e triglicérides.

Obesidade

Segundo um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), a obesidade já atingiu características de epidemia, afetando atualmente cerca de 1 bilhão de adultos em todo o mundo. Destes, estima-se que pelo menos 300 milhões de pessoas possam ter obesidade mórbida. Em países em desenvolvimento, como o Brasil, a obesidade já se tornou um problema de saúde pública tão grave quanto a desnutrição. As causas para o crescimento desta epidemia são várias, entre elas o consumo aumentado de alimentos pobres em nutrientes e ricos em calorias, (níveis altos de açúcares e gorduras) associado à redução da atividade física.

A presença da obesidade está associada a um risco de mortalidade aumentado por doenças cardiovasculares (infarto, derrame). Esse risco aumentado é decorrente da associação da obesidade com outras doenças, que muitas vezes são descobertas em conjunto como a hipertensão arterial, o diabetes mellitus tipo 2 e o aumento do colesterol.

O Índice de Massa Corporal (IMC) é o índice mais utilizado para diagnosticar a obesidade e o sobrepeso e é definido como a relação entre o peso do indivíduo (em kg) dividido pelo quadrado da altura (em m2).

IMC = Peso / (Altura)2

Tabagismo

80.000 mortes por ano estão relacionadas ao tabagismo no Brasil o que corresponde a 1 morte por hora.

Sabemos que é difícil parar de fumar, mas existem grupos de apoio para ajudá-lo a largar o vício, fazendo grande diferença na prevenção de doenças cardíacas e reduzindo, também, o risco de câncer de pulmão e outras doenças relacionadas. Aqui vão algumas dicas:

  • Procure um médico, pois atualmente existem opções eficazes de tratamento farmacológico;
  • Tente diminuir o número de cigarros fumados;
  • Descubra quais são as situações em que a vontade de fumar é maior (exemplos: após o café, ao beber bebidas alcoólicas, etc) e procure evitá-las;
  • Retire de casa os produtos relacionados ao tabaco, como cinzeiros e isqueiros;
  • Passe a fumar fora de casa, do carro e do ambiente de trabalho. Desta forma, reduz-se o cheiro de cigarro nesses locais e por conseqüência a tentação para fumar;
  • Solicite aos familiares e amigos que não fumem perto de você e nem dentro de casa;
  • Se há algum fumante que divide com você o ambiente doméstico, convença-o a interromper o tabagismo, e se não for possível peça a ele para não fumar dentro de casa;
  • Lembre-se dos benefícios que terá ao parar de fumar.

Sedentarismo

Basta praticar exercícios moderados diariamente por 30 minutos que seu coração já agradecerá. Isso significa usar a escada em vez do elevador, deixar o carro em casa e ir a pé até a locadora ou ao supermercado e pedalar a bicicleta ergométrica enquanto assiste à novela o lê o jornal. Entretanto, antes da prática regular de exercícios você deve procurar seu médico.

É difícil começar? Então comece deixando 15 minutos do seu tempo de cada dia para uma caminhada. Você vai gostar dos resultados e seu corpo vai se acostumar tanto aos exercícios físicos que eles naturalmente começarão a fazer parte de sua vida. Lembre-se que em todas as idades pode-se e deve-se realizar atividade físicas e obter assim grandes benefícios para a saúde. E procure sempre o que você mais gosta: esportes de praia, natação, ciclismo, golf, dança, jardinagem e até atividades domésticas. Beneficia o corpo e a mente também!

Bebida Alcoólica

A ingestão excessiva e regular de bebidas alcoólicas desgasta o organismo, comprometendo a disposição para trabalhar e viver com bem estar. No sistema cardiovascular o uso sistemático do álcool pode ser danoso ao tecido do coração e também elevar a pressão sangüínea.

Stress

De acordo com a pesquisa realizada pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, os homens que vivem ansiosamente têm um risco seis vezes maior de sofrer um ataque cardíaco fatal. Exercícios físicos, um hobby, o convívio com familiares e amigos e férias regulares são práticas que tendem a minimizar o stress.

Histórico Familiar

Cada vez mais pesquisas mostram a ligação entre o código genético de cada um e seu futuro quanto ao aparecimento de problemas cardíacos. Prestar atenção em seu corpo e nos sintomas que você possa ter é importante, mas alguns sintomas não aparecem até o problema estar crítico. Se você sabe seu histórico familiar, você pode ajudar seu médico a diagnosticar esses problemas antes deles evoluírem.

Saúde do Coração

Mais informações sobre este tópico:

L.BR.GM.2012-07-30.0996


Ferramentas
.
Saúde do Coração
Doenças Sexualmente Transmissíveis

open
close
http://www.bayerpharma.com.br/pt/areas-terapeuticas/saude-de-a-a-z/saude-coracao/principais-fatores-risco/index.php

Copyright © Bayer Pharma AG